Arte focada, arte diversa

Ou também: correlacionando biologia, arte e sociedade! XD

Para surpresa de zero pessoas, 2020 foi como um trator passando em cima da minha vida, assim como o foi pra praticamente todo mundo, de diversas maneiras, com diversos obstáculos e desafios, e tudo indica que seu legado vai ser continuado em 2021.

Menos vocês, elite fascistinha de merda que só se importa com o próprio umbigo e que enriqueceu às custas dos outros. Se você não teve ao menos um pingo de depressão pelo estado do mundo, mesmo sentado em seus privilégios, é de você que tô falando. Você é o problema. E se você se irritou com isso, a carapuça serviu, fikdik.

Esse ano foi certamente regido pelo Arcano XVI, A Torre, que chacoalha nossas bases, destruindo as velhas estruturas pra dar lugar à renovação. Só ainda não sei se, para a humanidade como um todo, a Torre está invertida ou não. Tenham esperanças, crianças!

No meu caso, uma das coisas para a qual “serviu” esse ano, foi me fazer parar de bater a cabeça na parede e mudar minhas perspectivas. Ainda tô “reajustando” a minha visão, começando enfim a ter forças pra quebrar a casca do ovo, graças a descobertas sobre mim mesma que vieram à tona e literalmente me despertaram pra muitas coisas.

Continue lendo “Arte focada, arte diversa”

Casulo

2020 veio pra mostrar que a realidade consegue superar o absurdo de tal forma que até mesmo a surrealidade tá procurando emprego. Não sei como será 2021 e além, mas uma coisa ninguém pode negar:

Estamos vivendo tempos interessantes.*

Mesmo com anos e anos acumulando crises econômicas, humanitárias e climáticas, a pandemia de 2020 conseguiu puxar o tapete de (quase) todo mundo, em diversos níveis e severidades. Há aqueles que lutam por sobrevivência, por ter o que comer, beber, onde dormir, energia elétrica; há aqueles que lutam por trabalhar e manter a família com o mínimo necessário; há aqueles que lutam por justiça e direitos humanos; há aqueles que lutam para manter conhecimento e arte vivos; há aqueles que lutam para fornecer esperança aos outros; há aqueles que lutam por inclusão e empatia; há aqueles que lutam por sua própria sanidade.

Continue lendo “Casulo”

Desvendando ISA

38461329_2150974545181574_8341590967240884224_o

Pra quem acompanha minhas performances, ou se deu ao trabalho de ler o conteúdo do site, sabe que gosto de implementar à minha dança um uso ritual/mágico/esotérico. Na teoria, isso seria o subgênero do Estilo Tribal nomeado de Tribal Ritualístico, ou Temple Tribal Fusion.

Bãt, como explico aqui, optei por criar uma denominação específica do meu estilo pessoal – Dharma Fusion – basicamente porque o Tribal Ritualístico tem uma cara mais ou menos típica (onde, geralmente, o público percebe o quê simbólico-ritual da dança), e as minhas performances rituais não costumam, necessariamente, ter.

Se você ficou curioso mas não entendeu bem o que que eu quero dizer com isso, esta matéria será útil para ilustrar!

Continue lendo “Desvendando ISA”

Anath Nagendra – a criação

16523845_1738695929489389_987321843_o

Na minha última postagem (aqui) falei um pouco sobre ter ou não um nome artístico, opinei sobre motivações e propósitos, dei dicas para o uso e também sobre as variadas formas de se usar um stage name.

Hoje, trago a história detrás do meu, como foi a minha decisão de ter um nome artístico, sobre seu propósito, a pesquisa por trás dele e também sobre a criação da marca.

Continue lendo “Anath Nagendra – a criação”

Nome artístico: ter ou não?

“Blind”

Quando se escolhe a vida de artista – seja como profissão ou como hobby –, em algum momento você topa com a questão de ter ou não um nome artístico, ou stage name, para os gringos. Geralmente isso ocorre no início da carreira, e é algo a ser considerado antes de “criar fama”, para que o nome desejado seja o que vai ser memorizado pelo público. Mudá-lo depois de anos pode ser complicado, pois terá que se trabalhar muito na divulgação da nova imagem sem perder os vínculos e contatos da anterior.

Algumas pessoas não se interessam por isso e mantém seu próprio nome, enquanto outras adotam algo fictício ou fantasioso. Há ainda aqueles que trocam por questões de praticidade ou publicidade, ou que alteram apenas algum detalhe ou parte. O nome artístico pode ser escolhido a esmo, ser pesquisado, ou até mesmo recebido pela professora/iniciadora.

Para aqueles que se interessam e gostam da ideia de ter um nome novo, específico para sua persona artística, é importante considerar alguns pontos antes de decidi-lo, para evitar situações constrangedoras, chacotas ou mesmo enjoar dele.

Continue lendo “Nome artístico: ter ou não?”