Aqui vocês encontram fotos e vídeos das minhas performances com cunho ritualístico. Essa camada ritual pode ser algo expresso diretamente na performance, e, portanto, perceptível ao público, mas também pode ser algo interno e pessoal, sendo a dança um ritual em si, sem necessariamente prezar por uma estética externa.

Dharma Fusion é um termo cunhado por mim, para designar as minhas abordagens artísticas que refletem o meu sistema espiritual.

sosimby

2019

Tribal Fusion – Temple Dark Fusion

Minha performance da música “Runaljod”, do Wardruna, onde busquei constelar a energia das videntes escandinávias, as “seidr”. Infelizmente a filmagem ficou ruim, por estar muito longe (editei o vídeo para dar zoom, mas não adiantou muito), e isso fez perder uns 50% do impacto que eu pretendia ter.

Esta performance tem uma pequena “narrativa” simbólica, majoritariamente expressada pelos olhos. Praticamente em toda a dança em permaneço de olhos fechados, os abrindo apenas no momento em que estou ajoelhada, representando um “despertar”. Depois dessa parte, eu intercalo os olhos fechados e abertos, como se duas personas dialogassem.

Bailarina(s): Anath Nagendra
Coreógrafa: Anath Nagendra (semi-improviso) (partially improvised)
Música: “Runaljod”, Wadruna (editada/edited)
Estilo: Temple Dark Fusion – Dharma Fusion
Figurino: Anath Nagendra
Evento: Mostra de Danças Verão Porto Alegre, 2019
Filmagem: Luhã Fotografia
Fotografia: Fernando Espinosa
Local: Teatro Renascença, Porto Alegre/RS – Brasil

sosimby

2018

Tribal Fusion – Temple Dark Fusion

Meu semi-improvisado solo de Dharma Fusion, contribuição como professora convidada do evento Intercâmbio de Talentos do Sul, segunda edição, em 2018!

“Cantara”, música do Dead Can Dance, me inspirou para uma performance na personagem Melinöe, que desenvolvo dentro do contexto de Dark Fusion, especificamente com assuntos relacionados à morte e loucura. E foi minha última performance antes de cortar o cabelo na altura dos ombros. :p

Infelizmente cerca de 1 minuto do final do vídeo foi perdido, por queda da bateria da câmera. :/

Bailarina(s): Anath Nagendra
Coreógrafa: Anath Nagendra (semi-improviso) (partially improvised)
Música: “Cantara”, Dead Can Dance (editada/edited)
Estilo: Temple Dark Fusion
Figurino: cinturão: Anath Nagendra; itens diversos de origem desconhecida
Evento: 2º Intercâmbio de Talentos do Sul, 2018
Filmagem: Leonardo Ferreira
Fotografia: (desconhecida – há logotipo nas fotos, mas não consigo lê-lo)
Local: Teatro CEEE, Porto Alegre/RS – Brasil

~~~~~~~~~~~~~~~

Tribal Fusion – Temple Dark Fusion

Meu solo ritualístico para a Mostra de Inverno de Porto Alegre, de 2018. Baseada na runa Isa, procurei trazer vários elementos que representassem essa energia, tanto estéticos quanto técnicos. Esta runa está associada a diversas coisas, como estabilidade, inércia, estagnação, eixo, equilíbrio. Além disso, essa performance também está carregada de questões pessoais, sendo um ritual bastante importante e impactante na minha vida.

Bailarina(s): Anath Nagendra
Coreógrafa: Anath Nagendra (semi-improviso) (partially improvised)
Música: “Isa”, Wadruna (editada/edited)
Estilo: Temple Dark Fusion
Figurino: Anath Nagendra
Evento: Mostra de Danças Inverno Porto Alegre, 2018
Filmagem: Luhã Fotografia
Fotografia: Fernando Espinoza
Local: Teatro Renascença, Porto Alegre/RS – Brasil

~~~~~~~~~~~~~~~

Tribal Fusion

Minha primeira performance de 2018! Abri o ano com uma coreografia de Temple Tribal Fusion – ou Tribal Ritualístico. Consegui coreografar parte da dança, mas, não surpreendente, basicamente metade dela exigiu ser improvisada. hehe O simbolismo por detrás da performance é a carta do tarot “Wheel of Fortune”, ou “Roda da Fortuna”.

Bailarina(s): Anath Nagendra
Coreógrafa: Anath Nagendra (semi-improviso) (partially improvised)
Música: “Journey’s end”, Solace
Estilo: Temple Tribal Fusion
Figurino: top e saia Atelier Joline Andrade, faixas pretas e aplicação preta frontal por Anath Nagendra.
Evento: Mostra de Danças Verão Porto Alegre, 2018
Filmagem: Luhã Fotografia
Fotografia: Claudio Etges
Local: Teatro Renascença, Porto Alegre/RS – Brasil

sosimby

2017

Tribal Fusion – Interpretative

Solo de Temple Tribal Fusion (Tribal Ritualístico) que fiz para a Mostra Avaliativa do primeiro Festival de Tribal de Caxias do Sul! E ninguém menos que Joline Andrade avaliando. ❤

A inspiração dessa performance foi uma combinação da música com desafios internos que tenho em meu Caminho Espiritual. A ideia central é justamente focada na “resiliência”, a capacidade de se reerguer e se manter firme após sofrimentos. Me inspirei também na temática indígena, tanto pelo fato da música já ser uma fusão entre elementos desse povo e música eletrônica, mas também em toda a história sangrenta vivida pelos povos indígenas em toda a América – suas lutas por viver sua cultura em suas terras mesmo recebendo tantos golpes horrendos do homem branco.

Bailarina(s): Anath Nagendra
Coreógrafa: Anath Nagendra (improvised)
Música: “Native Puppy Love”, A Tribe Called Red (edited)
Estilo: Temple Tribal Fusion (Tribal Ritualístico)
Figurino: calça, top, acessório de penas (cabeça e braço) por Atelier Magic Tale, restante do figurino de origem desconhecida
Eventot: 1ª edição Tribal Sul Festival, 2017
Filmagem: (desconhecido)
Fotografia: Tatiely Sperry
Local: Teatro SESC – Caxias do Sul/RS – Brasil

~~~~~~~~~~~~~~~

Tribal Fusion – Dark Fusion / Interpretative

Videozin básico da minha performance ritualística, ainda que um tanto improvisada, que fiz para Melinoë, uma das facetas de Hekate.

Bailarina(s): Anath Nagendra
Coreógrafa: Anath Nagendra (improvised)
Música: “Odal”, Wardruna, “Salome”, Irfan, e “The Dawning”, Hagalaz RuneDance. Todas editadas (editada/edited)
Estilo: Temple Tribal Fusion (Tribal Ritualístico)
Figurino: combinação amadora, saia e cinturão de ateliê desconhecido;
Evento: X Encontro Holístico Gaúcho, 17/09/2017
Filmagem e fotografia: acervo pessoal
Local: Casa de Cultura Mário Quintana, Porto Alegre, Brasil

sosimby

2016 – Tribal Fusion – Metal bellydance / Interpretative

Este foi o meu solo em semi-improviso no espetáculo Occultum Spectaculum, do II Underworld Fusion Fest, evento voltado para as fusões mais underground da dança, que ocorreu em agosto de 2016, em Curitiba.

Foi um solo muito especial, pois, apesar da técnica um tanto quanto “travada” devido ao nervosismo, tive quase uma incorporação com a música, e me voltei maciçamente à expressá-la. Cheguei a me arrepiar!

Aqui o release, que é falado no começo do vídeo:
“A bailarina Anath Nagendra nos traz a performance “Karma Katarse”, uma intervenção de cunho ritualístico. Projeta-se na dança um simbolismo híbrido, trazendo elementos estéticos e bases teóricas referentes ao Antigo Egito, psicologia junguiana, filosofias orientais e associações pessoais, de modo a proporcionar à bailarina uma experiência catártica em seu Caminho Espiritual. Inspirando-se nas múmias, Anath se vê em um corpo embalsamado e inconsciente, despertando aos poucos e deparando-se com as amarras kármicas que a imobilizam. Libertando-se destes obstáculos, ela caminha livre e desperta, em busca da Libertação.”

Bailarina(s): Anath Nagendra
Coreógrafa: Anath Nagendra (semi-improviso/partially improvised)
Música: “Karma” + “Monopoly on truth”, Epica (editada/edited)
Estilo: Tribal Fusion – estilo Dark Fusion
Figurino: calça por confecção amadora; top, cinturão e cinto de tiras por Anath.
Evento: II Underworld Fusion Fest, 2016
Filmagem: Max Olsen
Fotografia: desconhecido
Local: Curitiba, Paraná

sosimby